top of page

ABD - Aprendizagem Baseada em Dilemas

Dilema Resumido:

#001 - Preciso de ajuda. Meus funcionários estão com problemas.

Sr. Luiz atribui à falta de engajamento da nova geração. Ele compartilha essa preocupação com Joaquim, um consultor chamado para resolver esse problema. Sr. Luiz e seus gerentes, que o acompanham há 15 anos, veem a desmotivação como o cerne do problema. Marta, do RH, detalha as várias iniciativas implementadas para reverter essa tendência: treinamentos, premiações, avaliações e "Café com o Presidente". Dirceu, gerente da fábrica, assegura que as demandas dos funcionários foram atendidas, incluindo a eliminação das revistas, buscando fomentar a confiança. Joaquim, o consultor, entende que o problema é cultural, fruto dos novos tempos. Sr. Luiz não acredita muito nisso.

 

Dilema Completo:

#001 - Preciso de ajuda. Meus funcionários estão com problemas.

A indústria completa 30 anos esse mês e o maior desejo do Senhor Luiz, fundador e presidente, é que a equipe volte a produzir resultados como fazia 20 anos. Esses últimos anos, a empresa vem sobrevivendo e matando um leão por dia, como diz Luiz. Para ele, isso é culpa da falta de comprometimento dessa juventude. “Eles não vestem a camisa...” diz ele a Joaquim, consultor que está ouvindo o diagnóstico enfático do Sr. Luiz, como gosta de ser chamado.

Sr. Luiz, e seus seis gerentes, que o acompanham durante esses últimos 15 anos, definem o problema como sendo a falta de motivação, comprometimento, da equipe de supervisores, líderes e operadores da indústria. Marta, gerente do departamento de pessoal, diz que já implementou tudo na empresa: treinamentos motivacionais, prêmios por atingir as metas, avaliação de desempenho, placas com quantidade de dias sem acidentes, caixa de sugestão, troféus para os melhores funcionários, etc.

O último projeto foi o “Café com o Presidente”, que dá oportunidade de a mão de obra tomar um café com pão, manteiga e bolo, no mês do seu aniversário, com o Sr. Luiz.

Dirceu, o gerente de fábrica disse que atendeu todas as reivindicações da última reunião com o pessoal no início do ano passado. Desde então não há mais revista, todos os dias, de bolsas e mochilas na saída dos funcionários.

Agora é feito apenas esporadicamente e sem avisar, mesmo que isso tenha aumentado um pouco os furtos. Enfim, disse o Sr. Luiz, se a consultoria não resolver o problema dessa turma, ele não sabe mais o que fazer e haverá muita demissão. É a última bala na agulha que ele tem. Ou a consultoria resolve ou ele fecha.

Comentários:

O dilema enfrentado pela indústria liderada pelo Sr. Luiz destaca a tensão entre ética e moral no ambiente organizacional, especialmente no que diz respeito à motivação e ao engajamento dos funcionários. As iniciativas implementadas para abordar a desmotivação, incluindo treinamentos, premiações, avaliações de desempenho, e o projeto "Café com o Presidente", bem como a decisão de eliminar as revistas de bolsas e mochilas, refletem uma complexa interseção de valores éticos e morais.

Para uma análise profunda deste dilema, recorreremos à corrente filosófica do utilitarismo, particularmente nas reflexões de John Stuart Mill. O utilitarismo, com seu princípio fundamental de buscar a maior felicidade para o maior número, oferece uma lente através da qual podemos examinar as ações e intenções da liderança da empresa e suas implicações éticas e morais.

  • A busca por motivar os funcionários, sob a ótica utilitarista, pode ser vista como uma tentativa de maximizar o bem-estar geral, tanto da empresa quanto de seus funcionários. Esta abordagem ética enfatiza os resultados das ações em termos de felicidade ou satisfação geral. No entanto, a aplicação de práticas específicas, como as premiações e o "Café com o Presidente", pode ser questionada do ponto de vista moral se essas iniciativas não forem percebidas como genuínas ou se servirem apenas aos interesses da empresa, negligenciando o bem-estar dos funcionários.

  • O "Café com o Presidente", analisado através do utilitarismo, pode ser justificado se contribuir significativamente para o bem-estar dos funcionários, promovendo um sentido de valorização e pertencimento. No entanto, essa prática também deve ser avaliada em termos de suas consequências morais, considerando se ela realmente atende às necessidades e expectativas dos funcionários ou se é apenas uma estratégia superficial para aumentar a produtividade.

  • A eliminação das revistas de bolsas e mochilas pode ser vista, na perspectiva utilitarista, como uma medida que promove a confiança e o respeito mútuo, potencialmente aumentando a felicidade geral ao reduzir o desconforto e a desconfiança. No entanto, essa decisão também deve ser considerada em termos de suas implicações morais, avaliando se ela reflete um compromisso genuíno com o bem-estar dos funcionários ou se é apenas uma mudança superficial na política da empresa.

 

Respondendo as questões:

  • A busca por motivar os funcionários reflete mais uma questão ética de promover o bem comum ou uma tentativa de impor uma moral específica de comprometimento? 

    • ​Na perspectiva utilitarista, a busca por motivar os funcionários é primariamente uma questão ética que visa promover o bem-estar geral. No entanto, essa busca deve ser cuidadosamente equilibrada para assegurar que não se torne uma imposição de uma moral específica que não ressoe com os valores e necessidades dos funcionários. O objetivo deve ser maximizar a felicidade geral, respeitando a diversidade de perspectivas e valores individuais.

  • O "Café com o Presidente" pode ser visto como uma prática ética de valorização do indivíduo ou apenas uma ação moral para aumentar a produtividade? 

    • Sob o utilitarismo, o "Café com o Presidente" pode ser considerado uma prática ética se contribuir efetivamente para a felicidade e o bem-estar dos funcionários, transcendendo o objetivo de aumentar a produtividade. A chave é avaliar as consequências dessa prática, assegurando que ela gere um impacto positivo genuíno na experiência dos funcionários na empresa.

  • Eliminar as revistas de bolsas e mochilas na saída representa um avanço na ética da confiança ou uma mudança na moral organizacional? 

    • A eliminação das revistas pode ser interpretada, através do utilitarismo, como um avanço tanto na ética da confiança quanto na moral organizacional, desde que resulte em um aumento do bem-estar geral. Essa medida deve ser avaliada não apenas por suas intenções, mas principalmente pelas suas consequências, incluindo a promoção da confiança e do respeito mútuo entre a empresa e seus funcionários.

 

Referências bibliográficas:

  • Mill, J. S. (1863). Utilitarianism. London: Parker, Son, and Bourn.

  • Crisp, R. (ed.). (1997). Utilitarianism. Oxford University Press.

  • Bentham, J. (1789). An Introduction to the Principles of Morals and Legislation. London: T. Payne and Son.

  • Singer, P. (2011). Practical Ethics. Cambridge University Press.

 

Esta análise utilitarista oferece uma perspectiva sobre como as ações e políticas da empresa podem ser avaliadas em termos de suas contribuições para o bem-estar geral, equilibrando considerações éticas e morais no contexto organizacional.

bottom of page