top of page

ABD - Aprendizagem Baseada em Dilemas

Dilema Resumido:

#018 - O Preço do Desespero

Mario está em uma situação desesperadora, precisando de dinheiro para um procedimento médico vital para seu filho. Ele propõe um plano arriscado: simular o furto de seu carro para acionar o seguro, que oferece um valor bem acima que conseguiria vendendo o veículo no mercado. Fabio, amigo de longa data, ao ouvir o plano, se vê em um dilema moral. Por um lado, a empatia pela situação de Mario; por outro, a consciência das implicações legais e éticas do ato. A tensão aumenta quando Mario, percebendo a hesitação de Fabio, sugere que a única maneira de Fabio evitar ser cúmplice do crime seria cortar laços, deixando Fabio com uma escolha difícil: manter-se leal ao amigo em desespero ou aderir aos seus princípios éticos, potencialmente salvando ambos de consequências irreversíveis.

Dilema Completo:

#018 - O Preço do Desespero

Em um bar, dois amigos de longa data, Mario e Fabio, encontram-se em meio a uma conversa tensa e carregada de implicações morais. Mario, visivelmente desesperado, compartilha com Fabio sua situação financeira precária. Ele precisa de uma quantia significativa de dinheiro para cobrir um procedimento médico urgente para seu filho. Após tentativas frustradas de vender seu carro por um valor justo, Mario revela um plano arriscado: forjar o furto do veículo para reivindicar o valor do seguro, significativamente mais alto do que as ofertas recebidas.

Fabio, alarmado, tenta dissuadir Mario, destacando os riscos legais e morais envolvidos. Ele argumenta que, além da ilegalidade do ato, a decisão de Mario coloca ambos em uma posição complicada, transformando Fabio em cúmplice pelo simples conhecimento do plano. A conversa toma um rumo ainda mais sombrio quando Mario sugere uma solução drástica para eliminar o dilema moral de Fabio: cortar todos os laços, garantindo que Fabio não tenha que carregar o peso da cumplicidade.

Este dilema coloca em contraste a desesperada necessidade de Mario de salvar seu filho e a integridade moral de ambos os amigos. A decisão de Mario de prosseguir com o plano, apesar das implicações éticas, e a reação de Fabio a essa decisão, revelam as complexas camadas de lealdade, desespero e moralidade. A história não oferece respostas fáceis, deixando o leitor ponderar sobre o que faria na mesma situação, equilibrando a urgência do desespero contra os princípios éticos e morais.

Comentários:

Este dilema, envolvendo Mario e Fabio, ilustra uma profunda tensão entre a necessidade desesperada e a integridade ética. A proposta de Mario para resolver uma crise pessoal através de meios ilícitos coloca Fabio em uma posição moralmente ambígua, forçando-o a escolher entre a lealdade a um amigo e a adesão a princípios éticos universais. Para analisar este dilema, recorremos à ética deontológica de Immanuel Kant, que oferece uma perspectiva rigorosa sobre a moralidade das ações, independentemente de suas consequências.

Ética Deontológica de Kant

Kant argumenta que as ações são moralmente corretas ou erradas com base em se elas cumprem o dever, conforme determinado por um conjunto de regras universais. A principal formulação do imperativo categórico de Kant, "Age apenas de acordo com aquela máxima pela qual você pode, ao mesmo tempo, querer que ela se torne uma lei universal", fornece um critério claro para avaliar a situação de Mario e Fabio.

1. Universalidade: A ação de simular o furto de um carro para reivindicar o seguro não pode ser universalizada sem levar a contradições lógicas e sociais. Se todos agissem dessa maneira, o sistema de seguros, baseado na confiança mútua, colapsaria.

2. Meios e Fins: Kant enfatiza que os seres humanos nunca devem ser tratados meramente como meios para um fim, mas sempre como fins em si mesmos. Ao envolver Fabio em seu plano, Mario está, potencialmente, tratando o amigo como um meio para alcançar seus próprios fins, o que é inerentemente antiético segundo Kant.

3. Autonomia e Respeito: A sugestão de Mario para que Fabio corte laços para evitar a cumplicidade viola o princípio kantiano de respeitar a autonomia dos outros. Fabio é colocado em uma posição onde sua capacidade de fazer escolhas morais autônomas é comprometida.

Respondendo às Questões:

1. Fabio estaria agindo eticamente ao ajudar Mario, considerando a ética deontológica de Kant?

Não, segundo a ética deontológica de Kant, Fabio estaria agindo de maneira antiética ao ajudar Mario, pois estaria participando de uma ação que não pode ser universalizada sem contradição e que trata os envolvidos meramente como meios para um fim.

2. A situação desesperadora de Mario justifica a violação de princípios éticos universais?

De acordo com Kant, as circunstâncias desesperadoras de Mario não justificam a violação de princípios éticos universais. A moralidade de uma ação é determinada pela sua conformidade com o dever e a capacidade de universalização, independentemente das consequências.

 

3. Como a ética deontológica de Kant orientaria Fabio a responder à proposta de Mario?

A ética deontológica de Kant orientaria Fabio a rejeitar a proposta de Mario, encorajando-o a agir de maneira que suas ações possam ser universalizadas como uma lei moral sem contradição, e a tratar todos os envolvidos como fins em si mesmos, respeitando sua autonomia.

Referências Bibliográficas:

  • Kant, I. (1785). "Fundamentação da Metafísica dos Costumes". Tradução de Paulo Quintela. Porto: Porto Editora.

  • Wood, A. W. (1999). "Kant's Ethical Thought". Cambridge: Cambridge University Press.

  • Sullivan, R. J. (1989). "Immanuel Kant's Moral Theory". Cambridge: Cambridge University Press.

 

A análise deste dilema através da lente da ética deontológica de Kant destaca a importância de aderir a princípios éticos universais, mesmo em situações de desespero extremo. Ela reforça a ideia de que a moralidade de nossas ações é determinada pela sua conformidade com o dever e o respeito pela autonomia e dignidade de todos os envolvidos.

bottom of page