top of page

ABD - Aprendizagem Baseada em Dilemas

Dilema Resumido:

#003 - A Consciência e a Ética: O quem vem primeiro?

Pedro e João são amigos há mais de 10 anos. Foi Pedro quem apresentou João para empresa. Um dia, Pedro e João trabalharam até mais tarde num projeto. Já não havia mais ninguém na empresa quando Pedro resolveu ir embora. Ao chegar no estacionamento, percebeu que tinha deixado um livro na mesa. Voltou para empresa e, quando chegou na sala, viu o João colocando um grampeador na mochila. Foi um desconforto total. João começou a gaguejar tentando explicar. Disse que um grampeador não iria fazer falta para empresa. Pedro disse: "Vou pegar o que vim pegar e sair da sala como se não tivesse visto nada. Espero, sinceramente, que sua consciência saiba o que fazer." Pedro virou as costas e saiu da sala sem querer continuar a conversa com João.

 

Dilema Completo:

#003 - A Consciência e a Ética: O quem vem primeiro?​

Pedro e João são amigos há mais de 10 anos. Foi Pedro quem apresentou João para empresa onde trabalham. Em uma sexta-feira Pedro e João trabalharam até mais tarde num projeto que estavam envolvidos. Já não havia mais ninguém na empresa quando Pedro resolveu ir embora, pois ia buscar a namorada na escola. Despediu-se de João e foi para o estacionamento buscar seu carro. Ao chegar no estacionamento, percebeu que tinha deixado um livro na sua gaveta, que havia comprado para sua namorada. Voltou para empresa e, quando chegou na sala, viu uma cena que o deixou muito triste. Seu amigo João estava colocando um grampeador na mochila na hora que ele abriu a porta. Foi um desconforto total, pois é sabido que ninguém pode sair da empresa com material de escritório da mesma. Aquilo só poderia ser roubo, pensou Pedro.

No mesmo momento João ficou vermelho e desconcertado. Começou a gaguejar tentando explicar. Começou a dizer que ele sabe que a empresa tem caixa dois e que um grampeador não iria fazer falta para empresa. Ele teria um uso melhor para o material, pois estava precisando de um grampeador em casa para o trabalho do pai. Pedro olhou profundamente para João e disse:  "Vou pegar o que vim pegar e sair da sala como se não tivesse visto nada. Espero, sinceramente, que sua consciência saiba o que fazer."

Pedro virou as costas e saiu da sala sem querer continuar a conversa com João. Nesse momento, sabia que todo o relacionamento de muito tempo tinha seriamente se abalado.

Comentários:

Este dilema envolve Pedro e João, dois amigos de longa data que trabalham na mesma empresa. A situação se complica quando Pedro, ao retornar para buscar um livro esquecido, flagra João colocando um grampeador da empresa na mochila. A reação de Pedro, optando por não confrontar João diretamente sobre o ato e esperar que a consciência do amigo o guie à ação correta, levanta questões profundas sobre ética, moral e a natureza da amizade.

Para analisar este dilema, é útil recorrer à ética da virtude, uma corrente filosófica que enfatiza o caráter e as virtudes de uma pessoa como a chave para a vida ética. Aristóteles, um dos principais expoentes dessa corrente, argumenta que a ética da virtude se concentra em ser uma pessoa de bom caráter e viver uma vida de acordo com as virtudes morais, o que leva à felicidade verdadeira ou eudaimonia.

  • A hesitação de Pedro em confrontar João sobre o furto pode ser interpretada como um dilema entre a ética e a moral. A ética, neste contexto, refere-se ao princípio do bem comum e à integridade pessoal, enquanto a moral se relaciona com as normas e regras específicas da empresa contra o furto. A hesitação de Pedro reflete o conflito interno entre preservar a amizade (um valor ético relacionado à lealdade e ao cuidado para com o outro) e a necessidade de aderir a princípios morais claros que condenam o furto.​

  • A escolha de não agir de Pedro sugere uma complexidade na relação entre ética e moral. Em vez de prevalecer uma sobre a outra, a decisão de Pedro pode ser vista como um apelo à ética da virtude, onde a ação correta é guiada mais pelo caráter e pelas virtudes do que por regras externas. Pedro parece confiar que a virtude da honestidade e a consciência de João o levarão a corrigir seu erro, refletindo uma crença na capacidade de João de agir virtuosamente.

  • A ética do bem comum e a ação moralmente correta no contexto do furto poderiam guiar Pedro a considerar não apenas as consequências de suas ações (ou inações), mas também o impacto dessas ações no caráter de João e na comunidade da empresa como um todo. A ética do bem comum sugeriria que Pedro deveria agir de maneira a promover a honestidade, a integridade e a responsabilidade, não apenas para corrigir o erro imediato, mas também para reforçar esses valores dentro da comunidade. Isso poderia incluir uma conversa franca com João sobre a importância desses valores, incentivando-o a devolver o grampeador e a refletir sobre suas ações, ao invés de simplesmente ignorar o incidente.

 

Respondendo as questões:

1. A hesitação de Pedro em confrontar João sobre o furto indica um dilema entre a ética e a moral?

Sim, a hesitação de Pedro reflete um dilema entre a ética da amizade e lealdade e a moral corporativa que condena o furto. Este dilema destaca o conflito entre manter a integridade pessoal e preservar a relação com um amigo.

 

2. A escolha de não agir de Pedro reflete uma prevalência da ética sobre a moral?

A escolha de Pedro reflete uma complexidade na interação entre ética e moral, onde ele apela à ética da virtude, esperando que a consciência e o caráter de João prevaleçam. Não é tanto uma questão de ética prevalecer sobre a moral, mas uma esperança de que a virtude pessoal guie a ação correta.

 

3. Como a ética do bem comum poderia guiar Pedro a uma ação moralmente correta no contexto do furto?

A ética do bem comum poderia guiar Pedro a agir de maneira que promova valores como honestidade e responsabilidade dentro da comunidade da empresa. Isso poderia envolver dialogar com João sobre a importância de devolver o grampeador e enfrentar as consequências de seus atos, reforçando assim a importância da integridade e da responsabilidade pessoal para o bem-estar coletivo.

 

Referências bibliográficas
  • Aristóteles. (350 a.C.). Ética a Nicômaco.

  • Hursthouse, R. (1999). On Virtue Ethics. Oxford University Press.

  • MacIntyre, A. (1984). After Virtue. University of Notre Dame Press.

  • Annas, J. (2011). Intelligent Virtue. Oxford University Press.

 

Esta análise, fundamentada na ética da virtude, oferece uma perspectiva sobre como os valores do caráter e as virtudes morais podem orientar as decisões éticas em situações complexas, enfatizando a importância do desenvolvimento moral e do caráter na resolução de dilemas éticos.

bottom of page