top of page

8 Bilhões de Sapiens. Será?

Atualizado: 24 de nov. de 2022


Essa semana que passou, o secretário-geral da ONU, António Guterres, informou que a população do mundo chegou a 8 bilhões de seres humanos. Ele ressalta que, atingir o marco é uma prova de avanços científicos e melhorias em questões como nutrição, saúde pública e saneamento. Muito longe do ideal de vida, temos problemas sérios para enfrentar num futuro próximo envolvendo segurança alimentar e disponibilidade de água potável. Mas de alguma forma, chegamos até aqui.


O que eu acho mais importante e que pode colocar tudo a perder, é a inteligência humana que vem, a cada dia, diminuindo sua potencialidade. Criamos uma geração de pseudos inteligentes que estão influenciando pessoas e devastando o conhecimento mais estruturado. Eles são muitos. A maioria dos habitantes do planeta. São pessoas que sofrem do efeito Dunning-Kruger: quanto menos a pessoa sabe, mais ela acha que sabe.

Esse fenômeno de superioridade ilusória foi identificado como um viés cognitivo pelos psicólogos sociais – David Dunning e Justin Kruger – em um estudo intitulado: "Como as dificuldades no reconhecimento da própria incompetência levam a autoavaliações infladas". Com base no caso: McArthur Wheeler que é um caso criminal bastante incomum de 1995 que envolveu um homem de 44 anos roubando um banco. O condenado, o Sr. Wheeler, tinha lido sobre algumas propriedades peculiares do suco de limão e as interpretou mal em uma extensão bastante bizarra. Ele assumiu que, uma vez que as propriedades químicas do suco de limão são um pouco semelhantes à tinta invisível, seu rosto pareceria invisível ou embaçado para as câmeras de segurança.


Equipado com a confiança de que nenhuma câmera seria capaz de identificá-lo (devido a manchar seu rosto com suco de limão), ele corajosamente roubou dois bancos em Pittsburgh sem usar um disfarce. Imagens de câmeras de segurança dele roubando o banco mostraram claramente seu rosto (obviamente) e ele foi preso no mesmo dia. Ele ficou bastante chocado que a polícia o encontrou tão cedo, dado que ele havia aplicado suco de limão em seu rosto.


Você pode ter ouvido o ditado popular: "O problema com o mundo é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, enquanto as estúpidas estão cheias de confiança".

Você provavelmente já se deparou com inúmeros casos de pessoas que pensam que são muito inteligentes ou mais inteligentes do que a pessoa média, mas na verdade não são tão inteligentes. Ou talvez você já tenha encontrado pessoas que pensam que sabem muito sobre um assunto ou tópico, mas na verdade não sabem quase nada ou muito pouco?


Pois é, em outras palavras, as pessoas incompetentes não têm ideia de quão incompetentes ou não qualificadas elas realmente são. As pessoas que têm um desempenho ruim em um teste, em média, percebem que tiveram um desempenho ruim; é só que eles não percebem o quão pior (do que a média) eles realmente realizaram.


Dunning e Kruger sugeriram que esse tipo de superestimação é em parte porque as pessoas não qualificadas sofrem um fardo duplo. Essas pessoas não apenas chegam a conclusões incorretas e fazem escolhas infelizes, mas sua incompetência ou falta de habilidade rouba-lhes a capacidade de perceber que não são habilidosos. Em outras palavras, algumas pessoas incompetentes são incompetentes demais para perceber o quão incompetentes elas são!


Há outro lado interessante desse viés – as pessoas que são mais habilidosas do que o indivíduo médio, às vezes não conseguem perceber o quanto são melhores. Quanto mais competente ou experiente uma pessoa é em um determinado assunto campo, mais ela percebe e aprecia as lacunas ou limitações em seu conhecimento.


Portanto, é provável que eles sejam um pouco menos confiantes sobre suas habilidades. Quanto mais uma pessoa aprende sobre um tópico ou assunto, mais ela percebe o quão grandes são as lacunas em seu conhecimento e quão complicado o assunto realmente é. Essa percepção leva a um declínio na confiança de uma pessoa em suas próprias habilidades.


Os incompetentes, no entanto, sabem tão pouco sobre um assunto que pensam que são incríveis, quando, na verdade, são significativamente menos inteligentes do que a pessoa média.


Vejo isso acontecer todos os dias na minha área de atuação: Ética e Moral. Estudo os temas há 18 anos e me dedico ao rigor acadêmico e prático, bem como sua evolução nesses 2.500 anos de desenvolvimento. Além dos Standup Philosopher's falarem de ética e moral por meio de máximas, o que é um desserviço, muitas pessoas que se intitulam "expertises" em ética e moral, cometem erros crassos e banalizam os temas que precisam sobreviver e ser aplicado no dia a dia. Sofro com essa ignorância, menos pelos disparates e mais pela não vontade de aprender o certo.


A grande preocupação da humanidade deverá ser que, em um mundo com 8 bilhões de pessoas, uma grande maioria sofrendo o efeito Dunning e Kruger, qual o desastre que pode nos acontecer?

20 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page