top of page

Desafio à Superficialidade Ética e Moral


No mundo onde a ética e a moral moldam a essência de nossa convivência e a evolução como sociedade, surge uma provocação crítica: a necessidade de compreender profundamente a tradição filosófica como o alicerce indiscutível de nossos princípios éticos e morais. Redefinir tais conceitos sem uma base sólida nesse legado é como construir um arranha-céu em solo arenoso - uma empreitada insustentável, repleta de riscos.


A jornada de reconfigurar nossas noções éticas é uma necessidade em constante evolução. No entanto, é imperativo que aqueles que embarcam nessa busca conheçam, antes de qualquer passo adiante, os conceitos originais, as sábias fundações estabelecidas pelos pensadores da filosofia ética e moral. Ignorar esse preceito é como navegar sem estrelas, um rumo incerto que ameaça diluir o propósito moral intrínseco.


O verdadeiro perigo reside naqueles que, alheios à profundidade filosófica, se aventuram a redesenhar a ética e a moral. Esses "oportunistas preguiçosos" perpetuam uma distorção dos valores morais, onde o inaceitável é justificado por meio de argumentos vagos e, em muitos casos, autos servientes. Tais abordagens podem minar o cerne da integridade ética e moral, lançando dúvidas sobre a legitimidade do discurso moral contemporâneo.


A redefinição imprudente de conceitos éticos não apenas desafia a tradição, mas também desencadeia uma confusão que dificulta o entendimento mútuo e a construção de consensos morais. A multiplicação de definições, frequentemente arbitrárias, dilui o valor da ética e da moral, e o terreno escorregadio abre espaço para manipulações questionáveis.


Portanto, aqueles que desejam contribuir significativamente para o campo da ética e moral devem, como primeiro passo, imergir nas águas profundas da tradição filosófica. Devem explorar a evolução dos conceitos ao longo de 2.500 anos, desde os dias de Sócrates, Platão e Aristóteles até as reflexões contemporâneas de pensadores como Peter Singer e Adela Cortina.


Não se trata de mero oportunismo, mas de um compromisso com o estudo estruturado e profundo. Está em jogo mais do que vender conceitos frágeis a incautos; trata-se de defender a integridade de nossa herança ética e moral.


Aos consultores que se apresentam como guardiões da ética e moral, faça as perguntas críticas:


  1. Você estudou profundamente os clássicos da filosofia sobre ética e moral?

  2. Compreendeu a evolução dos conceitos ao longo de 2.500 anos?

  3. Estabeleceu um vínculo sólido entre suas novas interpretações e a tradição filosófica?

  4. Garante que seus conceitos se sustentem em razoabilidade, coerência e congruência?

  5. Seus argumentos são defendíveis e justificáveis diante dos estudiosos da ética e da moral, tanto no âmbito acadêmico quanto profissional?

  6. Seus novos conceitos são verdadeiramente inovadores ou meras variações oportunísticas?

  7. Você pode demonstrar que, ao adotar seus conceitos, a ética e a moral evoluem?

  8. Quem mais, além de você, endossa seus novos conceitos com fundamento acadêmico?

  9. Como reagem os eticistas e moralistas consagrados, eles veem suas ideias como uma evolução?

  10. A quem serve, efetivamente, a adoção de seus novos conceitos éticos e morais?

O desafio à superficialidade ética e moral é fundamental para a construção de uma sociedade que abraça os princípios fundamentais e respeita sua tradição. O estudo, o rigor e a integridade são as ferramentas que nos levam ao entendimento profundo e à evolução genuína. Juntos, podemos elevar o padrão moral e construir um futuro mais ético e compassivo.


PS: Essa é minha análise sobre o Global Ethics Day que ocorreu dia 18/10/2023 aqui no Brasil

9 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page