top of page

Quem é você quando ninguém está olhando?


No palco silencioso da solidão, onde as cortinas da observação se fecham e os olhos alheios se desviam, revela-se um espetáculo privado da essência humana. É nesse espaço íntimo e discreto que somos confrontados com a verdadeira natureza de nossas ações, despidos das máscaras que vestimos para o mundo. É onde a integridade, a ética e a moral são testadas de maneira mais íntima e desafiadora.


Quando nos encontramos na obscuridade do anonimato, somos confrontados com uma realidade desconfortável: fazemos muitas coisas das quais temos vergonha, e evitamos até mesmo reconhecer sua existência. Esses atos escondidos, muitas vezes motivados pelo medo do julgamento ou pela insegurança pessoal, revelam os recantos mais sombrios de nossa psique.


A psicologia por trás desses comportamentos é complexa e multifacetada. Podemos ser impulsionados pela pressão social, buscando a aprovação dos outros mesmo que isso signifique comprometer nossos próprios valores. A necessidade de pertencimento e aceitação muitas vezes nos leva a agir de maneiras que contradizem nossa integridade, deixando-nos com sentimento de culpa e remorso quando estamos sozinhos.


Além disso, nossa cognição desempenha um papel fundamental nesse processo. A capacidade de racionalização nos permite justificar nossas ações, mesmo quando sabemos que estão em desacordo com nossos princípios éticos e morais. Criamos narrativas elaboradas para absolver nossa consciência da responsabilidade, alimentando uma dualidade entre o que sabemos ser certo e o que realmente fazemos.


No entanto, é importante reconhecer que esses comportamentos não definem nossa essência. Somos seres complexos e contraditórios, capazes de grandes atos de bondade e generosidade, assim como de momentos de fraqueza e erro. A integridade, a ética e a moral são pilares fundamentais de nossa identidade, moldando nossas interações com o mundo e com nós mesmos. Uma questão de hábito.


Ao refletir sobre a pergunta "Quem é você quando ninguém está olhando?", somos confrontados com uma verdade profunda e libertadora: somos os mesmos, independentemente do contexto externo? Nossa integridade permanece intacta, nossos valores permanecem inabaláveis, mesmo quando ninguém está testemunhando nossas ações?


Portanto, a melhor resposta para essa pergunta não reside em nossos atos secretos ou em nossas falhas ocultas, mas sim na consistência de nosso caráter e na firmeza de nossos princípios. É na integridade de nossas escolhas e na fidelidade aos nossos valores que encontramos a verdadeira essência do eu, tanto na luz do dia quanto na escuridão da noite: Ser o mesmo em todas as ocasiões.


Em última análise, é essa integridade que nos permite enfrentar o olhar crítico do mundo e permanecer fiéis a quem realmente somos. É através da reflexão e do autoconhecimento que podemos transcender as sombras do segredo e emergir mais fortes, mais autênticos e mais íntegros do que nunca. Máscaras, só no carnaval.


Com que conforto na alma você responde: Quem sou eu quando ninguém está olhando?

Xiko Acis | Provocador

+55 11 96466-2184

Newsletter: 96


Assine a Newsletter e fique sabendo, em primeira mão, sobre Ética e Moral.

13 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page